08/03/1932 – 19/09/2009

Casal Fanini

Fiquem sabendo que hoje morreu um grande líder de Israel” (II Samuel 3:38 BLH).

Não tenho o propósito de escrever aqui sobre os dados históricos e realizações do querido Pastor Nilson do Amaral Fanini, que após 77 anos de vida consagrada ao Reino de Deus, foi convocado à presença do Senhor.

Falar sobre Fanini, como Pastor Batista, evangelista de grandes cruzadas, líder evangélico, presidente da Convenção Batista Brasileira por inúmeras vezes, presidente da Aliança Batista Mundial, comunicador de televisão, pregador das multidões, etc, é muito fácil, basta buscar o seu Curriculum Vitae.

Quero testemunhar dele como meu Pastor durante uma fase importantíssima da minha vida, a minha adolescência e juventude. Tive o privilégio de ser seu Seminarista, quando estudava no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil. Ele foi o presidente do concílio, formado de 49 pastores, que me examinou e me consagrou ao Santo Ministério (tenho no meu gabinete uma foto histórica daquele dia, bem como a bíblia que me foi ofertada, com a sua assinatura e de todos os pastores que participaram daquele ato solene). Ele também foi o celebrante do meu casamento com Linéa, há 25 anos atrás. Pregou no culto de posse, quando assumi o meu primeiro pastorado no Rio de Janeiro.

Fanini fez parte da minha vida. Influenciou a formação teológica e eclesiástica. Também me influenciou como pregador, pois era simples, claro e objetivo nas suas mensagens bíblicas. Aprendi com o seu ardor evangelístico e missionário e a sua visão do Reino de Deus. Era atencioso e enérgico, quando necessário, carismático e firme. Falava que tinha como alvo ajudar a povoar o céu.

Deus usou a sua preciosa vida para abençoar milhares de outras vidas, aqui no Brasil e no exterior. Tenho como última lembrança dele a sua palavra ao meu ouvido: “Meu filho, fique firme no ministério”, após me abraçar e me dar um beijo, por mim também retribuído.

“O SENHOR o deu e o SENHOR o tomou; bendito seja o nome do SENHOR!”               (Jó 1:21).