A imprensa nacional insiste na fantasia que o carnaval é um assunto de interesse nacional, o que não é verdade, se considerarmos uma população de cerca de 180 milhões de brasileiros e o efetivo ínfimo de pessoas que participam dos desfiles, bailes e escolas de samba.

Na verdade, isso só acontece com mais envolvimento no eixo Rio-São Paulo e algumas outras capitais do Brasil. Em alguns Estados da Federação, só é sabido que existe carnaval, por causa das imagens que são veiculadas na TV e pelas músicas tocadas em poucas emissoras de rádio.

 O carnaval é uma verdadeira fantasia, que leva o país a literalmente parar durante quase uma semana, trazendo prejuízos sérios à economia nacional, aos empresários, comerciantes e trabalhadores; além é claro, dos sérios prejuízos espirituais à família e à sociedade em geral.

 Falar que carnaval é festa e alegria é outra fantasia, pois bem sabemos que a verdadeira alegria vem de dentro e não se baseia nas alegorias externas e aparentes, no álcool, nas drogas, no sexo e em outros “prazeres” que são vivenciados superficialmente durante quatro dias, deixando de existir na conhecida quarta-feira de cinzas.

 É deprimente ver pessoas que sem propósito na vida e sem experiência cristã, se entregam a uma profunda e vazia experiência de viverem como atores, escondidos atrás das máscaras e maquiagem, demonstrando uma alegria que não é autêntica nem reflete o seu dia-a-dia. É hora de tirar a máscara!

Que o convite de Jesus Cristo, registradas em Mateus 11:28, quando disse: “Venham a mim, todos vocês que estão cansados de carregar as suas pesadas cargas, e eu lhes darei descanso. Sejam meus seguidores e aprendam comigo porque sou bondoso e tenho um coração humilde; e vocês encontrarão descanso para a vossa alma”, seja experimentado por todos os brasileiros.  Amém.