Ao longo dos tempos, a sociedade tem se revelado  perfeita na engenharia de mudar e deturpar a história real dos fatos e pilares que jamais deveriam ser deixados de lado, para o bem dela própria. Infelizmente, os anos vão passando e deturpações são apresentadas como se verdadeiras fossem, de tal forma que até mesmo os mais esclarecidos, se vêem muitas vezes, sendo traídos por sua própria inteligência.

No caso da verdadeira história e significado da Páscoa, as afirmações chegam a agredir o mínimo da razão, pois o que vemos nos dias atuais está totalmente distante daquilo que ela verdadeiramente representa. A Bíblia relata: “quando vossos filhos vos perguntarem: Que cerimônia é esta? Respondereis: Este é o sacrifício da Páscoa ao Senhor, que passou por cima das casas dos filhos de Israel no Egito, quando feriu os egípcios, e livrou as nossas casas”.

No relato bíblico, temos o registro da maneira poderosa como o Deus de Israel operou quando libertou o seu povo da escravidão do Egíto, fazendo-os passar da escravidão e da morte para a vida. A própria palavra “Páscoa”, no hebraico significa “ Pessach – passagem da escravidão para a liberdade”, pois como nos diz a Bíblia, o anjo da morte passou por cima das casas do Egito, que tinham a marca do cordeiro.

Quando o apóstolo Paulo diz que “Cristo é a nossa Páscoa”, ele se refere ao seu sacrifício no Calvário, derramando o seu precioso sangue para nos libertar da morte do pecado, para a vida eterna.

Comemorar a verdadeira Páscoa, significa comemorar a libertação do pecado, da escravidão e da falta de esperança, pois Páscoa é vida!

“Porque a nossa Festa da Páscoa está pronta, agora que Cristo, o nosso Cordeiro da Páscoa, já foi oferecido em sacrifício por nós.” ( I Cor. 5:7).