QuietudeAquietai-vos. Este é o fascinante desafio para este tempo: “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus…” (Salmo 46:10).

Se isto é verdade e as Sagradas Escrituras não mentem, o que adiantaria a mim, debater furiosa e desesperadamente contra as trevas da noite que me cercam? Se o Pai, em quem eu confio está comigo, as trevas não poderão impedir a sua bendita providência e preciosa companhia.

Se você experimenta a enfermidade, sente angústia no coração ou vive chorando a ingratidão que sofreu, não se desespere, não desanime, confie. Aprenda a confiar em Deus; isto significa aquietar-se dentro de si mesmo, esperando o livramento do Senhor que, com certeza virá no tempo próprio.

Deus faz sempre o que não podemos e nem sabemos fazer. Não há dor que Deus não conheça. Não há gemido que Ele não ouça. Não há lágrima que ele não veja. Não há noite de sofrimento que Ele não saiba.

O grande pregador e teológo da igreja Congregacional, Jonathan Edwards (1703-1758), considerado também, um dos maiores filósofos norte-americanos, pregou um sermão sobre este tema, onde ele declara que o fato de Deus ser Deus: “…é razão mais do que suficiente para que devamos estar quietos diante dEle, sem o menor murmúrio, sem objeção, sem oposição, mas tranquilamente e com humildade submeter-nos a Ele. Como devemos cumprir este dever de estar quietos diante de Deus? Simplesmente com um sentido de Sua Divindade, compreendendo que o fundamento é o conhecimento de que Ele é Deus. Nossa submissão é o que corresponde aos seres racionais. Deus não requer que nos submetamos a Ele contra a razão, senão como vendo a razão e o fundamento de fazer assim. Daí que, a mera constatação de que Deus é Deus pode ser o suficiente para calar todas as objeções e oposição aos Seus Divinos e Soberanos desígnios.”

Espere em Deus. Esta é uma atitude de fé e entrega; é uma decisão de não forçar os acontecimentos ou situações, mas permitir que Deus atue soberanamente em nossa vida. Amém.